É grande a probabilidade de que a cheia dos rios do Amazonas em 2019 seja a maior da história. A avaliação é do secretário executivo da Defesa Civil do Amazonas, tenente-coronel Francisco Máximo.

“Quero deixar claro também que não temos como afirmar, no dia de hoje, que teremos a maior enchente e que ela provocará inundações em diversos municípios. Mas temos sim uma grande probabilidade, face à subida dos rios e à postura em que esses rios se encontram no dia de hoje”, afirma o secretário.

Oito municípios das calhas do Juruá e Purus estão em estado de alerta em função do elevado nível dos rios para o período e 16 das calhas do Alto Solimões, Médio Solimões, Madeira e Baixo Amazonas em status de Atenção.

O “Estado de Atenção” é o primeiro estágio de desastre natural. Já a emissão do informativo de Alerta visa subsidiar as defesas civis municipais na tomada de decisão e gerenciamento dos riscos que a inundação poderá causar e permitir preventivamente a preparação das populações de áreas urbanas e rurais para os possíveis impactos que afetem a qualidade de vida dessas populações e as tirem da normalidade social.

Segundo o tenente-coronel Francisco Máximo, o status de Alerta tem caráter preventivo e não configura uma afirmação que haverá uma grande enchente, pois dependerá de vários fatores climatológicos externos que poderão influenciar no aumento de precipitação nas cabeceiras dos rios.

“Nós repassamos essas informações aos municípios para que o secretário municipal possa, junto com o prefeito, tomar algumas medidas na área de Atenção, se for o caso, ou na área do Alerta”, explica o chefe do Centro de Monitoramento e Alerta (Cemoa), da Defesa Civil, Charles Barroso.

Nível elevado

De acordo com o o tenente-coronel Francisco, as calhas do Alto Solimões, Juruá, Madeira, do Purus, apresentam níveis bem elevados, considerando a última marca histórica. “Isso nos remete a uma preocupação, que nos traz a necessidade de fazermos um planejamento e buscarmos as alternativas viáveis para atender as possíveis necessidades dos municípios”, enfatizou o titular da Defesa Civil do Amazonas.

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA